Anorexia

anorexiaCom as exigências estéticas da sociedade actual e um ideal de beleza que não permite qualquer excesso de peso, as pessoas vêm-se, por vezes, em caminhos menos corretos que acabam por leva-las a graves problemas de saúde que passam, em primeiro lugar, por perturbações da esfera oro-alimentar. Se a beleza não tem idade, acontece que é essencialmente no período da adolescência, com todas as suas transformações físicas e psicológicas que a acompanham, que assume um preocupação mais acentuada.

As Perturbações Alimentares manifestam-se essencialmente por duas formas que por vezes surgem associadas: A Anorexia  e Bulimia.  A idade média para o início da Anorexia é de 17 anos, raramente se verificando este início em mulheres com mais de 40 anos.  A sua prevalência é significativamente maior para o sexo feminino – mais de 90% dos casos de Anorexia ocorrem em mulheres –, em primeiro lugar porque a beleza assume, na mulher um papel muito mais relevante, sendo que o homem é mais avaliado pelas suas capacidades.

A Anorexia Nervosa parece ter uma prevalência bem maior em sociedades industrializadas, nas quais existe abundância de alimentos e onde, especialmente no tocante às mulheres, ser atraente está ligado à magreza. O aparecimento da doença encontra-se frequentemente associado a um acontecimento vital stressante, como sair de casa ou entrar para  a universidade.  As características essenciais da Anorexia são a recusa em manter um peso corporal na faixa normal mínima, associada a um terror de ganhar peso. Na anorexia, o esquema de perceção corporal encontrasse completamente deteriorado, encontrando estes sujeitos sempre excesso de peso em alguma região do corpo, não obstante do aparecimento esquelético.

Em muitos casos, as adolescentes anoréticas acabam por perder a identidade, verificando-se por vezes mesmo uma tendência para o suicídio e uma desmotivação para a vida.  Do ponto de vista da sexualidade, parece assistir-se a uma recusa maciça da feminilidade: a anorética não quer ter ancas, nem seios e a gravidez e a maternidade são mesmo consideradas como aberrações. Além disso, as mulheres pós-menarca com este transtorno são amenorreicas.

Se atendermos a sua etimologia, o termo “Anorexia”  poderá não ser correto de todo já que, contrariamente ao que sugere, não se verifica uma perda do apetite, mas sim uma recusa em ingerir alimentos devido á obsessão pela magreza. Esta recusa de ingerir alimentos está geralmente associada à conotação negativa que o sujeito atribuí ao alimento. A primeira relação que o bebé estabelece é com a mãe e é o objeto materno que lhe dá o primeiro alimento: leite. O alimento fica assim bastante associado á relação primária que estabeleceu com a mãe, mas a seguir a esta muitas outras relações vão ser estabelecidas com vários objetos.

Do ponto de vista psicodinâmico, no fundo, o que o sujeito anorético não quer ingerir não é o alimento mas sim os “maus objetos”, que tipificam más relações. Apesar de se manifestarem de uma forma antagónica, à Anorexia surge frequentemente associada a Bulimia, que se caracteriza por episódios repetidos de compulsões alimentares seguidas de comportamentos compensatórios inadequados, tais como vómitos autoinduzidos; mau uso de laxantes, diuréticos ou outros medicamentos; jejuns ou exercícios excessivos.

É muito importante saber que se uma adolescente sofre de anorexia, não é conveniente insistir para que coma, já que este procedimento pode ter efeito contrário, tornando mais difícil a resolução do problema. Tanto a anorexia como a bulimia são perturbações do comportamento alimentar, sendo muito difícil tornar estas jovens conscientes do seu estado, embora seja importante leva-las à convicção do quanto é feio e desagradável o seu aspeto esquelético.

O curso e o resultado da Anorexia são muito variáveis: alguns indivíduos recuperam completamente após um episódio isolado, alguns exibem um padrão flutuante de ganho de peso seguido de recaída, e outros apresentam um curso crónico e deteriorante ao longo de muitos anos. A hospitalização pode ser necessária para a restauração do peso e para a correção de desequilíbrios hidra eletrolíticos.

Se acha que esta perturbação se aplica a alguém da sua esfera mais próxima, é importante encorajar a pessoas a ter apoio psicológico, visto que o tratamento desta perturbação generalizada nos nossos dias levam pelo menos 2 anos e em alguns casos não se consegue atingir uma cura absoluta.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s